Sempre recebemos, aqui na Especiaria, o seguinte questionamento: “Já tenho minha logomarca pronta, só preciso passar para o papel”. Nesses casos já sabemos que a principal motivação do cliente é baratear o serviço, uma vez que o esforço intelectual já foi feito pelo cliente e não será feito pela agência.

Compreendemos muito bem a necessidade do cliente, afinal, se ele está precisando de uma logomarca é porque está iniciando um novo negócio ou mesmo profissionalizando algo que já existe. Em ambos os casos, uma diminuição de custos é muito bem-vinda. Porém, na maioria das vezes o cliente desconhece os processos de construção de uma marca e acaba por simplificar um trabalho que requer muito cuidado.

Vamos, agora, elencar alguns pontos que devem ser observados em casos como estes: o cliente já tem uma ideia pronta da logomarca e quer “apenas” colocá-la em prática:

A ideia é boa, mas não funciona

Para este tópico, sugiro uma dinâmica: parta do princípio que você não desenha. Forme em sua mente a imagem de um desenho de mãos. Agora tente desenhar esta imagem. O resultado provavelmente será semelhante ao da imagem abaixo.

o que eu penso e o que eu faço

Muitas vezes o que idealizamos em nossa mente não é o ideal como resultado final

Pois é, muitas vezes isso acontece com as logomarcas. O cliente tem uma excelente ideia abstrata, mas ao colocar “no papel” o produto não é o mesmo. Muitas vezes porque o cliente tem uma imagem vaga em sua mente que parece pronta. É o mesmo que pensar que podemos pagar o financiamento de uma mansão, mas descobrir, ao colocar no papel que ter uma mansão requer muito mais que pagar apenas o financiamento.

Toda logomarca requer um manual

A grande maioria dos clientes desconhece um documento importantíssimo: o manual de aplicação de logomarca. É ele quem vai padronizar o trabalho de forma que a logomarca apareça com a mesma identidade em qualquer lugar.

No manual estão códigos de cores para diversos suportes (impressão em papel, visualização em vídeo, Internet etc.), a família da fonte (letra) utilizada, proporções da logomarca e até como aplicar a logomarca quando você tiver, por exemplo, que apresentá-la em preto e branco.

Enfim, é um material bem completo e fundamental para toda empresa. Para exemplificar, tomei um trabalho nosso. A Seed Intelligence Company é um de nossos clientes da área de Gerenciamento de Projetos. Criamos a logomarca desta empresa e, obviamente, o manual de aplicação. Abaixo é possível ver, à esquerda, a logomarca original e, à direita, uma aplicação incorreta.

seed-incorreto

Mesmo que a diferença seja pequena é preciso ter cuidado. Uma logomarca é a cara de uma empresa.

Você pode achar uma diferença pequena, mas esse exemplo é o mínimo que pode acontecer.

 

Uma empresa requer mais que uma logomarca apenas

Se você acha que apenas a logomarca já garante o início do seu negócio, vou te colocar pra pensar: se você tem uma loja, vai precisar de uma placa, se tem um escritório de advocacia, vai precisar de um cartão de visitas, se tem uma imobiliária, um papel timbrado é essencial.

O que quero dizer é que uma logomarca exige outras peças de apoio. Todas devem ter unidade na aparência e obviamente devem transmitir profissionalismo.

 

Pense sempre no futuro

Na minha opinião, o argumento mais importante para deixar nas mãos de profissionais a construção de uma logomarca é o futuro. Investir em algo profissional agora é ter a certeza que não vai ser pego de surpresas no futuro.

Muitas vezes o cliente não domina os softwares próprios para esse tipo de trabalho e aí o que temos são peças construídas até no Paint Brush! Se após cinco anos a empresa cresce, a profissionalização acaba sendo um imperativo e nesse caso temos como opções manter uma logomarca amadora ou construir uma nova logomarca.

No primeiro caso, o prejuízo é de imagem. A empresa já é grande, conseguiu estabelecer-se no mercado, mas vai ser sempre encarada de uma forma pejorativa pela sua apresentação. No segundo caso, o prejuízo é mesmo financeiro, pois a empresa, ao renovar a logomarca, precisa refazer todos os uniformes, papelaria impressa, identificação etc. Um trabalho bem oneroso.

Ao passo que se a primeira tentativa já fosse profissional, o empresário não precisaria ter dores de cabeças, ou seja, menos um problema pra se preocupar.

Percebeu quantos problemas pra algo que a princípio era tão simples? Gosto muito de um ditado que diz: “A César o que é de César”. Você não se consulta com um veterinário, não vai deixar seus cabelos nas mãos de um açougueiro, porque deixar a imagem da sua empresa nas mãos de pessoas que não são profissionais?